quinta-feira, 2 de junho de 2016

Rock do Curdistão "O melhor e o pior do Rock do Curdistão" (2MG, 2001)


                 Quem vê a capa cima, estranha, com dois pequenos fantasmas, um tocando guitarra e outro segurando um bebê, sob a fotografia de uma paisagem árida de algum lugar do Oriente Médio, não desconfia que dentro da embalagem de acrílico se encontra um dos discos mais complexos e fortes do rock brasileiro produzido fora dos grandes esquemas.

                   “O melhor e o pior do Rock do Curdistão” é o único álbum da banda de Marcos Andrada, projeto criado no final dos anos 90 para dar vazão às músicas que Marcos compôs após o fim do Vultos, banda paulistana que lançou o LP “Filme da alma”, pela Baratos Afins, em 1989, e participou do segundo volume da coletânea “Não São Paulo”, de 1987.

                 No Rock do Curdistão, Marcos Andrada se colocou na condição de cidadão curdo do rock no Brasil, relegado ao ostracismo de seu próprio quarto, à falta de reconhecimento e à desilusão de ter batalhado na música, mas sem maiores êxitos públicos.

                 Com mais de uma hora de duração, espalhado em 15 temas de autoria própria, o álbum mostra vários tipos de composições, barulhos, efeitos psicodélicos e o uso do estúdio como laboratório para compor, característica que dá em algumas canções lo-fi. As músicas soam diferentes entre si, tal como se fossem compostas por várias bandas, todas existentes dentro da mente de seu idealizador. 

                   O idioma se alterna entre inglês e português e a gravação volta e meia esbarra em algum erro de execução, porém, nada que incomode um ouvido atento à pedra preciosa em estado bruto que é "O melhor e o pior do Rock do Curdistão". 

                 O lançamento teve boa repercussão, principalmente após a participação do Rock do Curdistão no programa Musikaos, da TV Cultura, em 2001, na qual o desempenho de “Rock de Front”, “Tears of na actress” e “Porsche de James Dead”, mostraram força e tensão capaz de serem captadas até por quem assistia a banda pela TV.

                 Parte da história de Marcos Andrada está brevemente registrada no documentário “Incógnito”, de 2016, dirigido por André Pagnossim e Otávio Bertolo, no qual pode-se perceber o quanto os sonhos proporcionados pelo amor à musica são capazes de colocar alguém em outra órbita.

                      Quer ouvir? Download aqui!                    
                      Também disponível no Youtube!

12 comentários:

  1. Chave de decodificação:
    !xq1ugemK1PhZYOX-x7kewWCfwUfLLcDi4C-1brB6vSI

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. !xq1ugemK1PhZYOX-x7kewWCfwUfLLcDi4C-1brB6vSI

      Excluir
  3. Valeu pela chave. Lembro de ver a banda no musikaos e gostei muito.

    ResponderExcluir
  4. Valeu pela chave. Lembro de ver a banda no musikaos e gostei muito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É mesmo, Sandro.
      Conheci a banda através do Musikaos também. Uma apresentação memorável. Encantamento imediato pela banda.

      Excluir
    2. Sou vocalista , ouçam novo trabalho chama se brothers of Sins Golden

      Excluir
    3. Ouçam também o trabalho do Marcão chama se sereialarme YouTube

      Excluir
    4. Sereialarm bem aéreo o novo trabalho de Marcos tá no YouTube

      Excluir
  5. Somos os músicos do rock do Curdistão , estamos sem conseguir tocar por favor precisamos de ajuda ligar 37265902 ou wadzap 988862727 Júnior ou Marcos

    ResponderExcluir
  6. Somos os músicos do rock do Curdistão , estamos sem conseguir tocar por favor precisamos de ajuda ligar 37265902 ou wadzap 988862727 Júnior ou Marcos

    ResponderExcluir