domingo, 7 de junho de 2015

Guitarria "A 125 por hora" (Läjä, 2003)


                Tornou-se costume esperar que o estado do Espírito Santo nos presentei com as bandas mais divertidas do hardcore brasileiro, culpa da Läjä Records por aglutinarem as melhores bandas de hardcore nacional da última década.

              O Guitarria é uma destas. Passaram despercebidos e deixaram apenas este “a 125 por hora”. Um trabalho sujo, tosco, feio, mas extremamente divertido, seja nas letras e seus temas, seja nos arranjos barulhentos e vocais que justificam o nome do trio, aqui tudo é feito na base dos ruídos de riffs de guitarra + gritos.

               O álbum é curto, 16 canções distribuídas em 27 minutos, porradas cruas e rápidas que mal chegam aos dois minutos de duração. A instrumental “Coqueiral noise beach” faz uma ponte entre o a surf music mais barulhenta com o hardcore mais tosco, enquanto outras canções se mostram bregas e apaixonadas, como “Janete” e “Cintia Marya”. “Noitada depois do caga sangue” é outra pedrada instrumental, desta vez com flerte ao blues, sempre com guitarra no volume máximo. A maioria das músicas têm solos, e eles se parecem bastante entre si.

           Lançado em CD pela Läjä (quem mais ousaria?) o trio teve uma curta trajetória, o suficiente para levar seus gritos ao Ruído Festival no Rio de Janeiro/RJ e deixar um belo cadáver.

            Quer ouvir? Download aqui!

Um comentário: