sexta-feira, 8 de maio de 2015

Haroldo de Campos "Isto não é um livro de viagem: 16 fragmentos de Galáxias" (Editora 34, 1992)


             O livro "Galáxias" consumiu 13 anos até ser finalizado. Entre 1963 e 1976 o poeta, ensaísta e tradutor Haroldo de Campos (1929-2003) se dedicou à obra, neste tempo também lançou fragmentos do livro, entre ensaios para revista Invenção e outras publicações.
             
          "Galáxias" foi publicado integralmente apenas em 1984. Tido como um livro denso e experimental, distante da poesia concreta que caracterizou os textos mais conhecidos de Haroldo de Campos, abria mão de parágrafos e pontuações para criar relatos de viagem, cósmica por vezes. Não se trata da obra mais conhecida de Haroldo, mas a que exerceu grande influência em outros autores, como no "Catatau", de Paulo Leminski e na obra de Caetano Veloso. Este nos anos 80 recriou "Circuladô de fulô", um dos fragmentos de "Galáxias" presente neste álbum sonoro "Isto não é um livro de viagem."


             No começo da década de 90 surgiu a oportunidade de trabalhar uma outra parte da obra, já guardada nos planos de Haroldo, transformar fragmentos dos poemas/prosa numa leitura interpretativa e rítmica, com a possibilidade de ser gravada em disco. Para esta empreitada Haroldo de Campos convidou o poeta e musico dedicado aos sons orientais Alberto Marsciicano (1952-2013) para introduzir e encerrar o disco.

          As longas pausas entre cada poema funcionam como as páginas em branco do  verso na edição de 1984, da editora Ex-Libris. Foram selecionados 16 fragmentos dos 50 "cantos galáticos" do livro nas quais Haroldo canta/conta os caminhos da viagem. Ora obscuros, ora completamente enegrecidos. O texto oralizado vira mantra e faz mais sentido quando acompanhado à cítara de Marsicano. A gravação recebeu assistência de Arnaldo Antunes e o CD veio encartado à reedição de "Galáxias" pela Editora 34.


             Quer Ouvir? Download aqui!
             Também disponível no Youtube!

Nenhum comentário:

Postar um comentário