quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

X-Rated "Daresafesexdisorder" (Polvo Discos, 1993)


                    O quarteto carioca X-Rated surgiu em 1989 com uma proposta bastante definida, ser uma banda de hard rock. Formada por remanescentes da primeira fase do som pesado no Rio de Janeiro - que deu bandas importantes como Dorsal Atlântica,, Metalmorphosis, Azul Limão, entre outras -, a banda tinha entre seus integrantes o vocalista Lucky Lizard, ex-vocalista da banda de Robertinho de Recife na fase "Metal mania", o guitarrista Mark D.B, ex Azul Limão, e o baterista André Chamon, ex-Stress, lendária banda de heavy metal de Belém/PA.

                         Depois de uma boa estreia, pelo selo Heavy em 1990, com o álbum "Shaking like a bad machine", o X-Rated acumulou elogios e se tornou o principal expoente do hard rock nacional. Época boa para quem trilhava os caminhos do hair metal, ou metal farofa, como se costumou chamar pejorativamente o estilo que abusava das poses, da violência forjada e dos excessos.


Bizz, edição 107, junho de 1994
                          Em 1991 participaram de um concurso que elegia bandas independentes para tocar no segundo Rock In Rio, não foram selecionados para tocar no festival, mas neste momento surgiu-lhes a chance de assinar um contrato com uma grande gravadora e um segundo disco. "Animal house" chegou às lojas pela PolyGram e foi bem recebido.

                         "Daresafesexdisorder" é o derradeiro disco do X-Rated. O caminho do álbum foi trilhado a partir de uma demo tape que continha parte do repertório, a demo abria com o cover de "Kiss" do Prince, assim como em "Daresafesexdisorder". O disco tem uma qualidade de gravação razoável, principalmente pela falta de punch na bateria, quase não se ouve o baixo. Os vocais são totalmente derivativos do hard rock norte-americano, algo entre o Mötley Crüe e Hanoi Rocks, realçados ainda mais pelas letras em inglês. Entretanto, ao longo do álbum os maneirismos vocais exagerados cansam demais. 

                         O disco saiu com a banda já desintegrada pela saída de Lucky Lizard e do baixista Bruno Schubnel, que gravaram o álbum, mas não participaram no seu lançamento. O disco marcou a estreia de uma iniciativa fonográfica independente efêmera, o selo carioca Polvo Discos. O projeto gráfico é simples, mas a capa com a imagem distorcida de um mulher nua ganha destaque.

             Quer ouvir? Download aqui!
             Também disponível no Youtube!

Nenhum comentário:

Postar um comentário