terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Acabou La Tequila (Excelente Discos, 1996)


               Um quinteto cheio de figurinhas jovens do Rio de Janeiro/RJ, todos com alguma experiência em bandas e muita vontade de juntar as referências em um som próprio. Assim surgiu o Acabou la Tequila, uma das bandas mais influentes para as bandas brasileiras que viriam no novo milênio.
                 A proposta da banda era não ter proposta nenhuma. O Acabou la Tequila era a banda mais sem estilo no Brasil - posto dividido com a curitibana Woyzeck - o que os deixava livres para criar músicas que dialogavam com vários estilos, do baião ao hardcore. 
              Entretanto, o quinteto foi inicialmente catalogado como uma banda de ska, que naquele final de 1996 era esperado como o "som do verão", ou o "som da moda" - curiosamente, o nome dado ao segundo álbum do Acabou la Tequila - e que transformou em disco algumas bandas brasileiras dedicadas ao ritmo. Porém, o "verão do ska" não ultrapassou o inverno de 1997.

Showbizz, edição 125, dezembro de 1995
                   O disco sem título abre com a rápida "Flaming moe", de Donida, o nome remete à bebida criada pelo Homer Simpson e surrupiada pelo Moe, lembra um pouco o que Donida fez com o Matanza poucos anos depois. "Biscoito" é o hit, uma levada sacolejante e um dos melhores refrões dos anos 90. A letra esperta mostra a forma mais divertida de tentar por fim a um relacionamento, carregada de humor.
        "Deus abençoe Pitágoras" apresenta  uma homenagem o "corpo" da mulher amada, principalmente depois dos dias de "fome". Se feministas atuais prestarem atenção na letra do Renatinho, vão amaldiçoar tanto Pitágoras quanto o Acabou la Tequila. O hardcore de "Auto combustão" é a fonte em que o Los Hermanos bebeu para construir seu primeiro disco. "Movimento" também beira o hc, com o vocal de Renatinho um tanto possuído.
               O ska está em "Pra lá em Tijuana", "Persona non grata" e "Eu não preciso de ninguém pra ser feliz". Também há um reggae em homenagem à Rita Cadillac, a "mãe de todos nós", mas naquela época a chacrete mais famosa da Brasileirinhas ainda estava "em cima".  "Disk China" brinca com um som de baile funk e traz outra das boas letras do disco.  "Como vai, senhor?" mistura baião e raggamuffin' com participação vocal de Gustavo Black Alien.

               O resultado da estreia foi muito bom. O disco é cheio de participações especiais (Bacalhau, Berna Ceppas, Kamundjangos, João Donato...) e não sobra espaços vazios. Surpreendente para um trabalho gravado e mixado em apenas uma semana. 
               Pouco após o lançamento o selo Excelente Discos fechou as portas e o contrato do Acabou la Tequila se mudou pra Abril Music - o mundo livre s/a fez o mesmo, e os dois se deram mal. Pior pro Acabou la Tequila que lançou seu segundo disco oito anos depois e com uma epopeia de intervalo. Tempo suficiente para que os cinco integrantes se dedicassem a outros projetos.

             Quer ouvir? Download aqui!
             Também disponível no Youtube!

             Também disponível no Youtube!

Nenhum comentário:

Postar um comentário