quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Paralaxe (Independente, 2005)


              O álbum sem título é o primeiro trabalho do duo de Belo Horizonte/MG. Entretanto, aqui a Paralaxe também conta com mais dois músicos. O núcleo da banda é composto por Fredhc (voz e violão) e Rafael Carneiro (efeitos eletrônicos e quase todos os outros instrumentos) que se encontraram na Faculdade de Medicina e desenvolveram texturas musicais eletrônicas que pudessem combinar com música orgânica e as letras carregadas de referências de política, sociologia, quadrinhos e ficção científica.

          A canção que dá titulo ao duo também abre o disco. "Paralaxe" funciona como um convite aos outros 10 temas próprios, resume o restante do disco apresentar efeitos vocais, bom arranjo de guitarra, bateria eletrônica e uma letra futurista. "Dr. Gori vs. Spectreman" recria o cenário da série Spectreman na batalha infinita do herói que dá nome ao seriado com o vilão Dr. Gori, cita Jango e seu algoz, o general Golbery do Couto e Silva, este responsável pelo processo de abertura política, no final da década de 70, e que levou ao fim a Ditadura Militar. Traz um refrão marcante, barulhinhos eletrônicos e um sample da guitarra de "Pinball wizard", do The Who, escondido. Totalmente inserida numa pós-modernidade. 

       "Alumínio" é um das melhores do disco, predominantemente percussiva. "Blurhorizonte" funciona como uma homenagem à cidade do Paralaxe. Em "Infravermelho" o som de uma viola antecipa as batidas falsamente orgânicas e lembra a estrutura musical também usada em "Dr. Gori vs. Spectreman". "Retrato" é um Reggae minimalista que beira o Trip Hop, com flautas à "Glory box" e citação direta à "Purple Haze", de Portishead e Hendrix respectivamente. "Clubber do milharal" poderia até caracterizar à Paralaxe, e isso não é pejorativo. Também há canções de (des)amor, algumas quase baladas, como "Acho q passei do tempo", "Indecisa" e "Santo Antonio". "Misantropp" também tira lascas do coração, mas surge melhor resolvida, muito por conta do arranjo que cadencia Trip Hop no refrão e rasga um solo de guitarra em meio às melodias de blips e blops.

              O disco foi lançado de forma independente e caseira, não há dados de fabricante, muito menos fotos ou ilustrações. A capa simples segue o padrão gráfico também usado na apresentação das letras e ficha técnica. Ao vivo a Paralaxe contava também com projeções de vídeo do VJ Ímpar que cabem muito bem à proposta do duo. 


                   Quer ouvir? Download aqui!
                   Também disponível no Youtube!

Nenhum comentário:

Postar um comentário