domingo, 15 de junho de 2014

Poli (Independente, 1998)



              Pouco antes dos projetos experimentais de música instrumental crescerem em número de bandas e público no Brasil, em Curitiba, havia o Poli.

               O trio surgiu em 1996, deixou dois discos e uma rara fita demo. Aqui temos o primeiro álbum. Com 21 temas divididos em 48 minutos o Poli construiu trilhas para filmes que não existem, ou que existem na imaginação de quem criar passagens visuais ao ouvir as canções. Há espaço para tudo no vasto conjunto de referências sonoras do trio. Valsas -  "A invenção de Monsieur Eclan" e "Wolfgang's solitaire sample" -, música celta - "Afogado em números" - e até temas mais pesados e ruidosos - "Junção" e "O naco". A última canção empresta o nome da baterista do Velvet Underground, Mo Tucker, para encerrar o álbum de maneira bela e melancólica.
Poli por André Brik

                 O disco saiu por iniciativa da banda numa pequena tiragem de 500 unidades. O projeto gráfico é simples e traz poucas informações. O álbum teve uma boa repercussão na época, contudo centrada na capital paranaense. O Caderno Fun, do jornal Gazeta do Povo, deu destaque para o trabalho e o álbum também frequentou a lista dos melhores daquele ano pela revista Bizz como parte das preferências do jornalista Fábio Massari.

            O Poli existe até hoje, mas nunca se apresentou ao vivo, muito por conta da característica de experimentos em estúdio e pelo fato de cada integrante assumir mais de um instrumento nas gravações.

                    Quer ouvir? Download aqui!

Um comentário:

  1. Not playing Solitaire on your mobile device? Download SOLITAIRE (Suitable for iOS & Android)

    ResponderExcluir