segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Psycho 69 (Primal Records, 1996)


            O Psycho 69 foi formado em Nova Iorque, em 1994, com o nome de Mad Parade. A banda se apresentava em muitas casas e adotava um som tipo metalcore, na linha de bandas como Dog Eat Dog e Madball. No mesmo ano um amigo da banda se convida para assumir os vocais do Mad Parade, seu nome era Supla.

Bizz, edição 129, abril de 1996
             Supla já havia feito muita coisa no Brasil, do sucesso comercial com o Tokyo à carreira solo do tipo clone do Billy Idol - armações da indústria do disco. O certo é que o começo da década de 90 foi tenebroso para quem fez fama no oba-oba do rock nacional dos anos 80, a ascensão de gêneros populares como a Lambada e o Sertanejo somados à crise econômica do governo Collor devastou a trilha roqueira nacional e deixou uma sensação de ressaca criativa dos grandes nomes.

             Supla, que também era um nome expressivo do BRock (créditos a Arthur Dapieve), não suportou a barra e se mudou para Nova Iorque, no bairro do Queens começou a trabalhar de mecânico de motos, pintor de parede e pedreiro. Mas este mundo paralelo longe dos palcos (será verdade mesmo?) não durou muito tempo. Logo começaram os ensaios e gravações do Mad Parade com novo vocalista, a banda mudaria de nomes às vésperas de lançar seu primeiro e único álbum.

           O disco foi gravado todo em Nova Iorque, em 1995, com produção da própria banda. Todas as letras são em inglês e compostas por Supla em parceria com o baterista Louie Gasparro. O som é calcado no metal, tem um jeitão meio bad boy NY, o que se reflete também na arte do álbum, autoria de Louie.

          No mercado internacional o Psycho 69 não fez nem cócegas, mas foi bastante promovido no Brasil. As canções "The deal" e "Trip scene", esta uma das melhores do disco com participações vocais de Vinny Stigma (Madball) e Jimmy (Murphy's Law), ganharam vídeo clipes veiculados com frequência na MTV Brasil. Outros bons momento do álbum estão no arranjo de bateria de "Non stop action" e no funk fantasmagórico de "No space".

            O disco foi lançado no Brasil pelo selo Primal, com distribuição da Velas, teve uma boa recepção, bastante elogiado pela mídia especializada, mas com vendas medianas. Para promover o disco o Psycho 69 veio ao Brasil abrir um show da última turnê do Ramones. A apresentação na casa de shows paulistana Olympia teve má recepção do público que jogou objetos no palco e não deu ouvidos ao Psycho 69. Pouco tempo depois a banda encerrou atividades, mas Supla ainda levaria mais alguns nos para retornar ao Brasil.

              Quer ouvir? Download aqui!

2 comentários:

  1. relaxa e goza! é o charada brasileiro!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um grande falcatrua, mas deve ter piores por aí. The Great rock'n'roll Swindle!

      Excluir