quinta-feira, 12 de setembro de 2013

[Livro + CD] V.A. "Cogumelo 30 anos" (Cogumelo, 2012)




          Se Belo Horizonte/MG é a capital do metal nacional o fator determinante é a loja Cogumelo Discos. Criada em 1981 pelo casal João Eduardo e Pat Pereira, a Cogumelo logo se tornou ponto de encontro de jovens roqueiros na capital mineira. Antes da inauguração não era possível prever a quantidade de adolescentes ávidos por rock em BH, até quando o público começou a lotar o espaço localizado na rua Augusto de Lima, chegando a reunir frequentadores que ficavam do lado de fora e causavam transtornos na vizinhança. Em 1985 a loja transformou-se em gravadora independente ao editar um bem recebido split com duas bandas mineiras, Overdose e Sepultura, a primeira era mais conhecida e já tinha uma trajetória no rock local, a segunda era praticamente desconhecida, mas chamava a atenção do público por fazer um death metal sujo, feito por uma molecada. O disco "Século XX/Bestial Devastation" impulsionou as atividades do selo.

              Para comemorar os 30 anos da Cogumelo foi lançado pelo próprio selo, com apoio da Prefeitura de Belo Horizonte, o livro "Cogumelo 30 anos". A obra reúne um apanhado de todas as capas e descrições técnicas dos discos lançados até 2012. São 151 capas originais, mais recortes de revistas, jornais, fotos e textos dos fundadores do selo e do jornalista Arthur G. Couto Duarte, que acompanhou in loco toda a segunda onda de bandas mineiras. Um trabalho bastante cuidadoso e fonte de pesquisa imprescindível para quem gosta e acompanha o metal nacional e, principalmente, as produções do maior selo brasileiro dedicado à música extrema.
Bizz, edição 68, março de 1991

             Num primeiro momento o que mais chama a atenção é o capricho das capas, vale o destaque para as criações de Jimmy Leroy, Gavião, Kelson Frost e os trabalhos gráficos de Jim Lee e Ibsen Otoni. Muitos discos ganharam fotos dos processos de criação de capas e das fitas masters de álbuns clássicos como "Cada dia mais sujo e agressivo", "I.N.R.I." e "Campo de extermínio", entre outros...

            O livro é dividido cronologicamente. A década de 80 é chamada de "Os anos do metal" e resgata o momento de criação e ascensão rápida da Cogumelo a partir da recepção excelente que tiveram os discos "Mordid Visions" e "I.N.R.I.", cujas vendas são responsáveis por boa parte do financiamento do catálogo do selo. A Cogumelo chegou a lançar novos LPs mensalmente. Foram 31 discos até 1990.

            A década de 90 recebeu o  nome de "Os anos da queda" e mostra mudanças no catálogo com o investimento em projetos distantes do padrão thrash/death/heavy que marcou a primeira década de atividade, são da década de 90 discos que ficaram conhecidos como "alienígenas da Cogumelo": "Rotomusic de Liquidifcapum", "Kingzobullshitbackfulleffect'92", e bandas que passaram praticamente despercebidas como Yellowfante, Nut e Chemako. Ao mesmo tempo, os anos 90 marcaram a renovação do catálogo com as reedições em CD e busca do mercado internacional, um passo dado ainda nos anos 80 quando bandas do metal mineiro começaram a interessar aos ouvidos europeus. A década da queda também foi o período em que a Cogumelo mais lançou bandas de black metal, o estilo estava em alta e o Brasil rendeu ao selo discos consagrados do Amen Corner, Murder Rape, Akerbeltz e Sarcófago, o último nome pode ser considerado a "galinha dos ovos de ouro" da Cogumelo. Foram lançados 82 discos até o ano 2000.

        A primeira década do novo milênio recebeu o nome de "O novo milênio - o metal sobrevive" e documenta um momento de recuperação e renovação no metal nacional, o investimento em discos de novas bandas revelou outro nome bom de vendas, o Drowned, além dos álbuns de estreia de Hammurabi e Sarcasmo. Das formações veteranas do catálogo o novo milênio marcou a volta de bandas importantes como Witchhammer, Cirrhosis e Kamikaze. A Cogumelo lançou apenas 38 discos entre 2000 e 2012. entretanto, fez vários relançamentos e tiragens especiais.

            O livro acompanha a coletânea "Cogumelo 30 anos" com uma seleção de 18 bandas de todas as décadas, cada uma com uma canção, tem alguns lados B da gravadora: Aamonhammer, Expulser, Pathologic Noise e Calvary Death. E bandas consagradas: Sepultura, Sarcófago, Drowned, Chakal, Vulcano, Sextrash, Mutilator e Holocausto. A seleção não privilegia clássicos ou trabalhos com bons resultados de mercado, é uma compilação do casal proprietário do selo e suas preferências.

            O livro tem tiragem limitada, mas ainda pode ser adquirido no site da Cogumelo, assim como mutos discos deste extenso catálogo. Vida longa a Cogumelo Records!  

           Quer ouvir? Download aqui!

Um comentário:

  1. A Cogumelo mais que merecidamente é o maior selo underground de todos os tempos.

    ResponderExcluir