quarta-feira, 24 de julho de 2013

Comunidade Nin-Jitsu "Broncas Legais" (Rockit!, 1998)


             O quinteto de Porto Alegre/RS cometeu um primeiro disco que poderia estar na lista dos maiores clássicos do rock brasileiro, isso se estas tais relações de álbuns fundamentais do estilo não fosse tão fechada nos discos 'sérios' e com características brasileiras.

         Em pouco mais de 60 minutos "Broncas legais" atualiza o rock brasileiro com influências, até tardias, do Miami Bass, do Funk-charm, do Hip Hop norte-americano e outras chinelagens. Some a tudo isso uma boa quantidade de humor e um pouco de substâncias proibidas. Não funciona como fórmula, afinal, nem a própria Comunidade Nin-Jitsu conseguiu repetir o feito destas 10 canções.
Bizz, edição 146, dezembro de 1997

            O álbum é cheio de riffs roubados - digo, não creditados -, letras sobre cotidiano noturno porto-alegrense e raps incidentais. "Broncas ilegais" não passou despercebido e foi bem além do empurrão dado pela Regina Casé às bandas gaúchas do final dos 90's, o programa se chamava Brasil Legal. 

              Destacar alguma canção é um trabalho inútil, deve-se ouvir o álbum todo, e olha, isto faz bem (!). "Detetive" virou clássico, na época o vídeo clipe teve alta rotação na MTV e chegou a levar o prêmio Democlip no VMB de 1997; "Rap do trago" seguiu o mesmo caminho, ninguém mais vai aproveitar o riff de "Der Kommisar" do Falco tão bem. "Quero te levar" é funk-charm dos bons, guitarra exagerada e refrão matador, me diga: qual garota resistiria? (ehehhehe) O mesmo caminho segue "Pastilha de prosa", gíria local para ficha telefônica, hoje um artefato reconhecível apenas para maiores de 25 anos.

             Os temas são um assunto à parte. "Merda de bar" relata tédio noturno para citar heroína e cocaína. "Just" é uma ode à marijuana,um produto "quase" básico na cesta báscia do jovem brasileiro. Sexo está na insaciável "Tia nega" 'dá a bunda pra você, dá a buça pro vovô, e dá de novo prá você', ninguém segura esta velha! O mesmo tema volta em "Rap dos 9 meses". Por fim, um bônus com "Detective", a versão latina e mais sobras "Montagem do Mano Changes" e "Saudações à massa funkeira". É improvável, mas a Comunidade Nin-Jitsu soaria como uma excelente banda carioca neste disco, não fosse o sotaque inconfundível.  
Bizz, edição 153, abril de 1998/

           "Broncas legais" foi lançado pelo selo de Dado Villa-Lobos, a Rockit! Depois de amargar um tempo nas prensas da gravadora Continental, a primeira a assinar um contrato com a banda. A Continental chegou a lançar o álbum para a imprensa, mas logo em seguida rescindiu o documento e a Comunidade Nin-Jitsu recebeu as 2,5 mil cópias da prensagem inicial do disco, rapidamente negociado nos shows pelo Rio Grande do Sul.

               O projeto gráfico de Fernanda Villa-Lobos e Barrão é caprichado, traz todas as letras, fotos e ficha técnica, na capa um integrante temporário da Comunidade Nin-Jitsu, o Índio, cinegrafista da TVE abduzido pela banda. Sua participação? Índio ficava sentado numa cadeira de balanço sobre o palco escudado por um ninja entornando cervejas enquanto a banda detonava levadas do mais puro Miami Bass chinelagem.

               O disco teve uma excelente repercussão, principalmente no Rio Grande do Sul, estado que recebeu a maior parte da nova tiragem do álbum, lançado pela Rockit! Para garantir a boa recepção, nos anos seguintes a gravadora Antídoto, especializada em distribuir discos aos gaúchos, providenciou um relançamento.

           Voltando àquela possível lista dos discos brasileiros clássicos que não recebem seu devido tratamento por não se enquadrarem às estéticas propriamente brasileiras, nem atingirem o grande público, ou que não pertencer ao "sub requisito" cult. Basta dizer que "Broncas legais" foi produzido por Edu K. Um cara que sabe corroer discretamente o grande escalão e vomitar no jantar de todo mundo. Depois de ouvir o "Kingzobullshitbackinfulleffect'92" o "Broncas legais" até que nem é tão novo assim.

              Quer ouvir (é diversão garantida!) Download aqui!

3 comentários: