domingo, 19 de maio de 2013

Dr. Cascadura (WR Discos, 1997)



               Formado na capital baiana em 1992, o Dr. Cascadura, depois conhecido somente como Cascadura, movimentou o cenário rock'n'roll de Salvador na década de 90. Também chamou a atenção da mídia, que via na banda um representante brasileiro do revival setentista ocorrido na primeira metade dos 90's a partir do sucesso do Black Crowes e do renovado interesse de parte do público roqueiro para os discos do Led Zeppelin, Deep Purple e Lynyrd Skynyrd.

             E era por aí mesmo. Ao ouvir este, que é o primeiro registro do Dr. Cascadura, nota-se a influência que os rapazes sofreram do southern rock norte-americano e por nomes brasileiros como Tutti Frutti, Casa das Máquinas e Made in Brazil.

           O disco tem 14 canções próprias com letras em português e excelentes arranjos, um órgão bem sacado e arrebatador, nada de novidade ou mesmo original, mas tudo feito com bastante capricho. A produção é primorosa e não deixa dúvidas que o vocalista Fábio Cascadura sabia o que queria ao escrever as letras, assim como a banda, um quinteto, sabia construir muito bem arranjos. Destaque para as canções "Cantor de jazz", "Telepatia". E as típicas odes ao rock, vide "Tão velho quanto o rock'n'roll" e "O batismo", esta dedicada a um dos heróis do rock nacional, Eddy Teddy.. Tem baladas também, ouça "O homem velho", "Gloriosa" e "Mesmo sem merecer" e comprove.

       O álbum demorou muito tempo para sair, já aguardava dois anos na espera do lançamento que veio depois da iniciativa do Governo da Bahia em parceira com o selo WR Discos, que também dá nome ao estúdio em que foi gravado o álbum, em registrar discos de bandas baianas que aguardavam algum "$uporte" para chegar ao público.
Bizz, edição 116, abril de 1996

            O tempo que o álbum levou para sair foi prejudicial para o Dr. Cascadura, que passava por um momento de transição quando houve o lançamento. O trabalho foi bem recebido pela crítica e público, a pequena tiragem se esgotou rapidamente e não houveram novas prensagens, assim como aconteceu com todos os discos da série patrocinada pela parceria Governo da Bahia/WR Discos. 

           O álbum foi o terceiro lançamento da série que inicialmente seguia o mesmo projeto gráfico para todos os discos, apenas isso pode justificar a péssima capa do quinteto numa montagem de mal gosto com um dos cartões postais de Salvador, o Elevador Lacerda, ao fundo. Pode até deixar em dúvida o ouvinte desconhecido que se depara com o trabalho, não se engane, aqui tem rock'n'roll!

              Quer ouvir? Download aqui!

4 comentários:

  1. Cara,muito obrigado, na época da Bizz, tentei de todas as formas comprar a demo e não consegui. Valeu mesmo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. GraldoRodrizhoje!
      Eu é que agradeço a visita e o comentário. Qualquer pedido, estamos aí.
      Abraços!

      Excluir
  2. O disco citado no texto é o Entre!, segundo da banda - https://www.discogs.com/Cascadura-Entre/release/8953874

    ResponderExcluir
  3. Excelente. Só preciosidades neste post. Tenho o Bogary físico quando saiu na Outra Coisa. Parabéns pelo blog, revigorei muita coisa boa daqui.

    ResponderExcluir