quarta-feira, 17 de abril de 2013

Coke Luxe "Rockabilly Bop (LP) + É Rockabilly!" (Compacto) (Baratos Afins, 1983/1984, 2001)


            Em 2001 o selo paulistano Baratos Afins relançou em CD o compacto "É Rockabilly!" e o LP "Rockabilly Bop", os dois únicos registros do quarteto Coke Luxe, a principal banda de neo rockabilly brasileira.

             Liderada por Eddy Teddy, um incansável e apaixonado roqueiro empunhando sua guitarra em outras bandas desde a década de 60, pelo Coke Luxe passaram outros integrantes em sua curta duração, de 1982 a 1985, se revezando no formato básico de bandas de rockabilly: guitarra, baixo acústico e um kit simples de bateria, além de backing vocais de refrãos estratégicos.

     A edição em CD abre com as duas músicas do compacto simples, "Rock 'O azarado'" e "Não beba, papai", e segue com o LP "Rockabilly Bop", não apenas um clássico do rockabilly nacional, mas um dos discos mais importantes da discografia independente nacional. O LP traz 9 canções bastante divertidas, dançantes e bem gravadas. As letras divididas entre Eddy Teddy, o baixista Little Piga e o baterista Jipp Willis funcionam como crônicas do cotidiano paulistano, como acontece em "Buzum", "Gata gatuna" e "I.N.P. Rock", e retratam personagens pitorescos como o mal humorado "Espírito de porco". Tem duas versões, a impagável "Bobão" de Elpídio dos Santos, o compositor preferido de Amácio Mazzaropi, e "20º andar" versão de Albert Pavão para "Twenty flight rock", de Eddie Cochran, e um pioneiro rock gravado no Brasil por Albert Pavão.
           De presente o CD carrega mais 10 canções bônus, resgatadas de fitas K7 do acervo de Eddy Teddy. Algumas foram registradas nos dois discos do Coke Luxe, outras surgem inéditas e em nada devem ao repertório gravado, destaque para "Moça do sapato grande", "Adorável vagabunda" e "Promete". A baixa qualidade das gravações não incomoda, afinal, são gravações raras.

            O projeto gráfico do relançamento é muito caprichado, traz a arte original dos discos somada à fotos de arquivo, descrição de músicos que passaram por mais tempo pela banda, e um texto biográfico do jornalista e pesquisador de música Ayrton Mugnaini Jr. sobre Eddy Teddy, que em 1997 partiu para o plano superior. Eddy tinha 46 anos.

            O trabalho do Coke Luxe foi bastante reconhecido na época em que a banda esteve na ativa, ao longo dos anos a banda ganhou homenagens e seu repertório não foi esquecido - Kid Vinil que o diga, pois sempre recorreu às canções do quarteto. Os discos originais estão cada vez mais raros, mas esta imperdível reedição em CD pode ser encontrada no site da Baratos Afins. Para quem gosta de procurar bandas e discos importantes perdidos na história da música brasileira, conhecer Coke Luxe é obrigação.

               Quer ouvir? Download aqui!

Um comentário: