segunda-feira, 12 de novembro de 2012

V.A. "Devil Party" (Devil Discos, 1989)



       
              "Devil Party" é considerada a primeira coletânea de psychobilly lançada no Brasil. Reúne três bandas paulistas (Kães Vadius, Kryptonitas e K-Billy's) e uma carioca (A Grande Trepada), cada uma com três músicas.

               O Lado A abre com o K-Billy's, suas canções trazem os temas característicos do psychobilly - morte, violência, aditivos... - a voz de Milton Monstro deixou o 'hit' do primórdios do estilo, "I hate you, baby". O mesmo lado segue com o Kryptonitas, mais influenciados pelo rockabilly nas boas "Cidadão comum" e "O perfeito".

               O Lado B traz dois patrimônios do psychobilly nacional e que permanecem em atividade ininterrupta: A Grande Trepada (ou Big Trep) e Kães Vadius, esta é a única banda da coletânea que já vinha de experiência em discos, com os clássicos "Psychodemia" (1987) e "Delirium Tremens" (1988). É o Kães Vadius que abre este lado que traz as ótimas "Dead" e "Canibalismo". A Grande Trepada fecha o álbum com seu psychobilly com toques de rockabilly e surf music em "Do-Ré-Mi-Fá baby" e "Surf Drácula".

              "Devil Party" foi lançado pelo selo paulistano Devil Discos e gravado no estúdio Big Bang por Marco Mattoli, Marcelo Galbetti e Miguel Lopez. O projeto gráfico é completo e caprichado, traz todas as letras, fotos das bandas e ilustrações de autoria de Wilson Villa Mayor, pai do Eddie Booper Ball, baixista d'A Grande Trepada, as ilustrações da contra capa são do Hulkabilly (exceto d'A Grande Trepada), vocalista do Kães Vadius. Lançado apenas em LP o álbum teve uma boa repercussão e ajudou a unir a 'psycarada' brasileira, aguarda reedição.

            Quer ouvir? Download aqui!

5 comentários:

  1. Olá Marcelo. Em primeiro lugar gostaria de avisar que postei no seu email o fanzine do Violeta de Outono. Espero que goste.
    Quanto ao Devil Party, agradeço pela consideração de aceitar a idéia de colocar o disco no blog. Tenho ele em casa e gosto muito. Destas bandas já assisti ao vivo o K'Billys no aniversário de 10 anos da 89 Fm em 1996 (se não me engano). O Kães Vadius já é outra historia. Junto ao Ira! e Violeta de Outono é a banda que mais vi shows nos anos 80 e 90. Realmente a banda sempre foi muito boa ao vivo. Sempre gostei de psychobilly ou mesmo do rockabilly, más eles fazem um som diferente dos demais. As letras ácidas e cômicas, a mistura com a arte dos quadrinhos (o vocalista Hulkabily é um exímio desenhista, possui o estúdio KV Arte em Santo André , as capas eram feitas por ele) e o clima fantasmagórico dão o tom da banda na medida certa.Valeu.

    ResponderExcluir
  2. Eduardo!
    O K-Billy's eu nunca vi, nem sabia que a banda resistiu ao tempo, pois, nunca mais ouvi falar deles. O mais perto que já vi dessa banda é quando o Milton Monstro toca com o Kães Vadius e relembra "i hate you baby". O Kães volta e meia toca em Curitiba, onde tem uma cena psychobilly bastante forte, já vi algumas vezes e é imperdível sempre, mas acho que o Sax faz falta pra banda, quando eles estão em quinteto os topetes se agitam bem mais. As letras são ótimas né, crônicas urbanas de sexo, drogas e violência, sensacional!
    Recebi o material sim, coisa linda que logo você vai ver por aqui.
    Abraços meu caro! Obrigado pelo apoio sempre.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Opa,
    Legal mas o desenho da capa é do pai do Edu , o seu Wilson Vila Maior, os desenhos das bandas na parte de trás, tirando o da A GRANDE TREPADA, são do Hulkabilly... Quando gravamos nossas 3 músicas (Surf Drácula, Dó-Ré Mi Fá Baby & Freud, o GUANABATZ tocou em São Paulo e fui assistir. A gravação foi meio traumática pois a música "Surf Drácula " teve um problema na fita que descobrimos no dia da mixagem e perdeu muito pois não podíamos regravar era nosso último dia em Sampa , e acabou ficando com o som velado pois teve que ser comprimida demais e não colcamos nenhum reverb, nada... Regravamos essas 3 no nosso último disco "SEM DESTINO" comemorativo de 25 anos da banda de 2011 elas também fazem parte dos discos Voodoo Tapes (1991-1993) & Rockabilly Voodoo (1994). Ano que vem além de dois novos discos de inéditas vai sair um Documentário chamado "25 Anos de Anonimato" (Na verdade são 27 anos" hahaha) com uma hora & meia de falatório e músicas, clipes & ao vivo, dirigido por Felipe David Rodrigues. Bem quem quiser saber mais da A Grande Trepada ou Bigtrep tem o http://www.facebook.com/bigtrep ou quiser falar diretamente comigo... http://www.facebook.com /mauricio.garciamauk , abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mauk Shake! Legal teu comentário, já fiz a correção lá no texto, obrigado. ainda ficou de eu fazer um comentário sobre o Billy Gato, a quem o disco é dedicado, mas, faltou informações, ainda estou apurando.
      Tô ansioso pelo documentário e para que vocês relancem os discos que você citou, aquele que saiu pela Polvo eu tô atrás desde o dia em que ele foi lançado, nunca encontrei. Tenho só o Cachaça Beat e o Meia noite Insana, comprei de vocês no psychocarnival deste ano, assim como uma bela camiseta pin up gordinha do mal. hehehe Vou colocar o "Meia Noite Insana" aqui no blog, daí te mando uma entrevista para deixar a postagem mais informativa. Abraços Mauk!

      Excluir