sábado, 8 de outubro de 2011

V.A. “Rock de Autor” (Manifesto, 1991)



"Rock de autor" reúne uma grande quantidade de músicos, produtores e jornalistas com canções e experimentos de estúdio. Ao todo são 19 nomes que interpretam suas criações, daí o nome “Rock de Autor”. Entretanto, o rock aqui é tratado de uma maneira bastante livre, há referências espalhadas por toda parte.
O álbum só existe no formato LP e teve uma tiragem de 1000 unidades. Foi o segundo lançamento do selo Manifesto, propriedade do jornalista Alex Antunes e do produtor R.H. Jackson, que antes havia lançado outra coletânea, “Enquanto Isso...”. “Rock de Autor” é algo como um "disco-alívio", aqui todos os envolvidos não têm compromissos para apresentar sua autoria. Fruto da ressaca do rock brasileiro dos 80's, "Rock de autor" é uma flecha sem alvo. Chama a atenção um detalhe na ficha técnica: a afirmação de que o selo Manifesto não detém ou questiona direitos autorais, ideia de R.H. Jackson.
O Lado A abre com o “We Bop” de P* Antunes (heterônimo de Alex Antunes) acompanhado de Akira S. e Bocato. Em seguida vem o multifacetado Aguilar, egresso da sua Banda Performática, com o reggae “As Gangs”. Paulo Miklos em sua primeira incursão solo apresenta “Esse é o Lugar” em versão bastante diferente da gravada em seu primeiro disco. O saudoso guitarrista e jornalista Minho K (apelido de Celso Pucci) se destaca com a instrumental “Drunk Rock”, o bottle neck soa bonito nas cordas deste amante fiel do velho rock’n’roll. Cid Campos também merece atenção com “O Verme e a Estrela”, música e letra bastante sensíveis, com direito à participação de seu pai, Augusto de Campos, na leitura de parte do poema da letra. A última do lado A traz Akira S., Charlie Crooijmans e Miguel Barella na ótima “Tokei”, com letra em holandês e a bela voz de Charlie, possivelmente a melhor canção da coletânea.
Bizz, edição 79, fevereiro de 1992
            O Lado 1 começa com a instrumental “Xote Inglês”, um xote mesmo, na verdade, uma bela zoeira entre Carlos Eduardo Miranda, Ricardo Salvagni, Jimi Joe, Neneco e Maria Andrade. Na sequência o produtor e guitarrista R.H. Jackson apresenta “O Gato de Schrodinger”. Dequinha e Zaba Moreau vêm com a ótima “Preposições”, uma letra feita de com preposições (sic) sob a música etérea. Arnaldo Antunes vem acompanhado apenas do violão em “E Só”, um poema concreto musicado de estilo característico. A instrumental “O Gato Vermelho” de Maria Andrade traz uma guitarra como golpes de navalha sob violão e meia-lua, uma das melhores do álbum, porém, faltam informações sobre esta faixa no encarte. Os guitarristas de mãos cheias Miguel Barella e Giuseppe Lenti apresentam a instrumental “Borgosan Frediano”, a única faixa do disco que não foi gravada especialmente para este projeto, pois data de 1988, e também pode ser encontrada, na mesma versão, no primeiro disco do Alvos Móveis (Suck My Discs, 1996) projeto inspirado dos guitarristas. Por fim, outro début solo, Nasi e a sua “Arábia Maldita (1h e 12min)”, uma letra de texto curto e música com colagens de estações de rádio.

            "Rock de autor" não teve nenhuma ocasião de lançamento, a característica do projeto de ser feito com experiências em estúdio se tornou difícil de se reproduzir ao vivo. A resenha de lançamento na Bizz, feita pelo DJ e jornalista Camilo Rocha, não destaca nenhuma faixa, pelo contrário, sobrou para Cid Campos o título da caretice MPBóide e uma constatação, projetos como este dão mais prazer para quem faz do que para quem ouve. Hmmm... pode ser.
            A produção de “Rock de Autor” é de R.H. Jackson e Eucy Próprio (também conhecido como Alex Antunes), a bonita capa é de Zaba Moreau, e no encarte cada autor tem seu espaço. Trata-se de uma obra dividida entre boas canções e outras nem tanto. Como coletânea, cumpre sua função e vale conferir, mesmo 20 anos após seu lançamento os momentos inspirados podem surpreender o ouvinte curioso.
             Quer ouvir? Download aqui!
             Também disponível no Youtube!

4 comentários:

  1. o selo manifesto foi criado pelo rh jackson comigo. essa formulação dos direitos autorais inclusive é dele! abraço. alex antunes

    ResponderExcluir
  2. Fala Alex! Sempre é bom saber que estas coisas chegam aos olhos de quem as fomentou. Obrigado pela visita, volte sempre. Atualizei os dados segundo seu comentário.
    Logo quero postar aqui o "Enquanto isso..." e o "Prenda na minha"! Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Olá disco furado, muito boa sua matéria sobre este disco tão legal e que pouca gente conhece! Legal tb poder ouvir as músicas em mp3, pois fazia um tempão que não ouvia já que minha vitrola quebrou. Que bom que vc gostou da minha faixa,
    abraço Maria Andrade

    ResponderExcluir
  4. Obrigado Maria Andrade! Este disco é dos meus preferidos, quando pensei em começar um blog foi pensando em escrever e disponibilizar o "Rock de autor". E tua faixa é das minhas melhores. Obrigado pela visita! Um beijo!

    ResponderExcluir